terça-feira, 19 de maio de 2015

DEZ PONTOS A SEREM LEMBRADOS NA PREVENÇÃO DO AVCI NOS PACIENTES COM FIBRILAÇÃO ATRIAL.

   A seguir, 10 pontos importantes à serem lembrados sobre a prevenção de AVC em pacientes com fibrilação atrial (FA) publicados pela American College Cardiology (ACC) baseado em revisão sistemática publicada na JAMA:
1- O esquema de estratificação de risco pelo CHA2DS2-VASc é particularmente útil na identificação de pacientes que estão em baixo risco de acidente vascular cerebral ou tromboembolismo, menos de 1% ao ano, relacionado à FA.
2- Pacientes com menos de 65 anos de idade sem fatores de risco adicionais para acidente vascular cerebral ( por exemplo CHA2DS2-VASc igual a zero para os homens, e a um para mulheres) são considerados de baixo risco para acidente vascular cerebral ou tromboembolismo.
3- Pacientes com pelo menos um fator de risco adicional, de acordo com a pontuação do CHA2DS2-VASc, deve ser oferecido um anticoagulante oral (ACO), tipo warfarina ou um novo anticoagulante oral (NOAC).
4- Inclusão de doença renal não melhorar a capacidade preditiva do escore CHA2DS2-VASc.
5- A história de quedas não deve ser considerada uma contra-indicação absoluta para ACO como varfarina ou um NOAC.
6- Em pacientes com indicação de prevenção primária ou secundária para ACO, a varfarina é associada a uma redução do risco absoluto de 2,7% / ano (número necessário para tratar, 37) e de 8,4% / ano (número necessário para tratar, 12), respectivamente.
7- O risco de hemorragia grave e hemorragia intracraniana em pacientes que tomam aspirina é semelhante ao dos doentes que tomam um ACO.
8- As diretrizes do Instituto Nacional de Saúde e Assistência e Excelência (NICE) não recomendam o uso de aspirina como monoterapia para a prevenção de AVC em pacientes com FA.
9- Um grupo consenso europeu recomenda que os pacientes com FA que foram recentemente submetidos a implante de stent coronariano deve, inicialmente, ser tratados com terapia tripla (ACO, aspirina e clopidogrel), seguido de terapia dupla (OAC, e aspirina ou clopidogrel), e depois de um ano, ACO sozinho .
10- Oclusão do apêndice atrial esquerdo é uma opção para pacientes com alto risco de acidente vascular cerebral que não são bons candidatos para anticoagulação oral a longo prazo.
Referência: ACC

domingo, 26 de abril de 2015

BENEFÍCIOS E MALEFÍCIOS DAS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS


  Interação medicamentosa é a interferência que um medicamento sofre de outro ou de algumas substâncias que possam estar sendo usadas como o álcool ou alimentos, diminuindo ou aumentando o seu efeito. Ao prescrever uma medicação, o profissional deve estar atento a tal situação, pois numa condição em que uma medicação ou substância aumenta o efeito de outra, muitas vezes a dose desta deve ser diminuída. Da mesma forma, quando uma droga ou substância diminui o efeito de outra, esta outra deve ter a dose aumentada. Às vezes, uma medicação é associada a outra somente com o propósito de aumentar seu efeito ou bloquear efeitos adversos. Portanto, nem toda interação é maléficas e às vezes ela é usada intencionalmente para trazer maior benefício ao paciente.
  As interações são classificadas por riscos:
Risco A e B: existe a interação, mas tem pouca relevância clínica. O médico deve apenas observar.
Risco C: pode haver necessidade de ajuste da medicação, podendo ser para aumento ou diminuição da dose.
Risco D: além de ajuste da dose, o ideal é que a medicação seja substituída.
Risco X: a associação é prejudicial e deve ser evitada. Se não houver outra opção, pode ser feita com muito cuidado.
  Os profissionais de saúde devem estar atentos às informações sobre interações medicamentosas e ser capazes de reconhecer a potencial interação e sugerir intervenções apropriadas, se necessário. Também é responsabilidade dos profissionais de saúde individualizar as recomendações com base nos parâmetros específicos de um paciente.
  É quase impossível lembrar de todas as interações medicamentosas conhecidas e de como elas ocorrem. Por isso, os profissionais devem estar atentos àquelas clinicamente relevantes e bem fundamentadas:
• Esteja alerta com quaisquer medicamentos que tenham baixo índice terapêutico ou que necessitem manter níveis séricos específicos (ex.: glicosídeos, digitálicos, fenitoína, carbamazepina, aminoglicosídeos, varfarina, teofilina, lítio, imunossupressores, anticoagulantes, citotóxicos, anti-hipertensivos, anticonvulsivantes, antiinfecciosos ou antidiabéticos etc.).
• Lembre-se daqueles medicamentos que são indutores enzimáticos (ex.: barbituratos, carbamazepina, glutetimida, fenitoína, primidona, rifampicina, tabaco etc.) ou inibidores enzimáticos (ex.: alopurinol, cloranfenicol, cimetidina, ciprofloxacino, dextropropoxifeno, dissulfiram, eritromicina, fluconazol, fluoxetina, idrocilamida, isoniazida, cetoconazol, metronidazol, fenilbutazona e verapamil).
• Analise a farmacologia básica dos medicamentos considerando problemas óbvios (depressão aditiva do sistema nervoso central, por exemplo) e tente imaginar o que pode acontecer se medicamentos que afetam os mesmos receptores forem usados concomitantemente.
• Considere que os idosos estão sob maior risco devido à redução das funções hepática e renal, que interferem na eliminação dos fármacos.
• Tenha em mente que interações que modificam os efeitos de um fármaco também podem envolver medicamentos de venda sem prescrição como fitoterápicos (ex. contendo Hypericum perforatum, conhecida no Brasil como erva-de-são-joão), assim como certos tipos de alimentos, agentes químicos não-medicinais e drogas sociais, tais como álcool e tabaco. As alterações fisiológicas em pacientes individuais, causadas por fatores como idade e gênero, também influenciam a predisposição a reações adversas a medicamentos resultantes de Interações medicamentosas.
Referência: Formulário Terapêutico Nacional do MS - 2010

domingo, 19 de abril de 2015

USO INAPROPRIADO DE ANTICOAGULANTES ORAIS EM PACIENTES COM FIBRILAÇÃO ATRIAL.

   Em pacientes com fibrilação atrial (FA), que estão em risco de tromboembolismo, a terapia anticoagulante com warfarina ou os mais recentes novos anticoagulantes reduz a morbidade e a mortalidade. Como o uso de anticoagulante oral acarreta risco de sangramento, as drogas não devem ser recomendadas em pacientes com FA com risco particularmente baixo de AVCi. Especificamente, as orientações anteriores não recomendavam o uso de anticoagulação oral em pacientes com menos de 60 anos sem doença cardíaca ou outros fatores de risco conhecidos para tromboembolismo, as orientações mais recentemente atualizadas não recomendam o uso de anticoagulação oral em pacientes com FA sem qualquer fator de risco para AVCi, que devem ser estratificados através dos escores  CHADS2 ou CHA2DS2 VASc (baixo risco = 0, moderado = 1 e alto igual ou maior do que 2).
   Este estudo buscou analisar a prevalência de prescrição de anticoagulante oral que não estão em conformidade com as orientações em pacientes jovens e saudáveis ​​com FA que estavam com risco baixo de tromboembolismo, assim como os preditores clínicos dessa prática.
   Aproximadamente um quarto dos pacientes com fibrilação atrial e baixo risco de AVC são tratados com anticoagulantes orais desnecessariamente, de acordo com uma esta pesquisa publicada no JAMA Internal Medicine.
   "A ironia é que há um impulso geral para prescrever estes medicamentos, e eles também são geralmente sub-prescritos entre muitos pacientes com FA que realmente precisam deles", Gregory Marcus, MD, MAS, da divisão de cardiologia da Universidade da Califórnia, em San Francisco.
   "Nosso estudo sugere que as pessoas estão tentando fazer a coisa certa, mas, devido a uma falta de compreensão de algumas das nuances críticas, vão muito longe nessa direção em pacientes de baixo risco", disse ele.
  Marcus, com Jonathan C. Hsu, MD, MAS, um graduado UCSF, da divisão de cardiologia da Universidade da Califórnia, em San Diego, e colegas analisaram 10.995 pacientes (<60 anos) com FA matriculados na Prática Inovação e Clínica de registro de dados do National Cardiovascular Excellence (PINNACLE) Registry entre Janeiro de 2008 e Dezembro de 2012.
   Os pacientes, de 287 locais diferentes em 33 estados, não tinham doença cardíaca estrutural e estavam com baixo risco de tromboembolismo. Todos os pacientes tiveram uma pontuação CHADS2 de zero; uma análise secundária restrita a pacientes com uma pontuação CHA2DS2-VASc de zero também foi realizada.
   Os pesquisadores desenvolveram modelos de regressão de Poisson modificada para examinar as relações independentes entre várias características e resultados da prescrição de anticoagulante oral: foram feitos ajustes para fatores demográficos e características clínicas.
   Os anticoagulantes orais foram prescritos para 2.561 (23,3%) pacientes com uma pontuação zero do CHADS2 e 1.787 (26,6%) pacientes com uma pontuação  zero do CHA2DS2-VASc. Entre os pacientes com uma pontuação zero do CHADS2, preditores para prescrição de anticoagulantes orais foram idade avançada (RR ajustado = 1,48 por 10 anos; 95% CI, 1,41-1,56), sexo (masculino RR ajustado = 1,34; 95% CI, 1,22-1,46 ), maior IMC (RR ajustado = 1,18 por cada 5 kg / m2; 95% CI, 1,14-1,22) e Medicare vs. Seguros Privados (RR ajustado = 1,32; IC 95%, 1,17-1,49).
   Resultados semelhantes foram observados entre os pacientes com a mesma pontuação do  CHA2DS2-VASc, com idade mais avançada (RR ajustado = 1,44 para cada 10 anos; 95% CI, 1,36-1,54), maior IMC (RR ajustado = 1,19 por cada 5 kg / m2; 95 CI%, 1,15-1,23), Medicare vs. Seguros Privados (RR ajustado = 1,29; 95% CI, 1,13-1,47) e nenhum seguro vs. Seguros Privados (RR ajustado = 1,19; 95% CI, 1,03-1,37), ligado com aumento da probabilidade de prescrição anticoagulante oral.
   Os pacientes que residem no sul dos Estados Unidos tinham menos probabilidade de ser prescritos anticoagulantes orais do que os pacientes na parte nordeste do país (RR ajustado = 0,67; 95% CI, 0,47-0,96).
   Os profissionais que prescrevem anticoagulantes precisam obsevar mais os riscos e benefícios desses medicamentos. Naqueles pacientes sem fatores de risco para acidente vascular cerebral, o risco de hemorragia provavelmente excede o benefício da redução de acidente vascular cerebral.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

REFLEXÕES SOBRE O USO DA VITAMINA D.

   A vitamina D, que na realidade não é uma vitamina, é um hormônio esteroide, vem se tornando a responsável e a solução para várias doencas, pelo fato de estudos  epidemiológicos terem mostrado uma associação entre seus níveis baixo com várias doenças, entre elas várias cardiovasculares, associação esta que até o momento não foi definida como causa, consequências ou coincidência. 
   Estudos epidemiológicos não definem tratamentos, ensaios clínicos randomizados estão em andamento avaliando se realmente a suplementação de vitamina D pode reduzir o risco para várias doenças não-esqueléticas. Estes estudos têm envolvido grande número de participantes e vão custar milhões de dólares. Este grande esforço de pacientes, pesquisadores e financiadores é louvável, uma vez que é necessário  responder estas perguntas que tem mantido há muito tempo a comunidade médica em dúvida.
   A vitamina D primeiramente se tornou um sucesso quando sua importância na saúde óssea e na homeostase do cálcio foi comprovada há décadas. Desde então, as evidências epidemiológicas vêm apoiando o seu papel na proteção de várias doenças não-esqueléticas, incluindo câncer, doenças cardiovasculares, doenças autoimunes e inflamatórias, demência e diabetes mellitus; assim como na redução da mortalidade por todas as causas. No entanto, os resultados de pequenos ensaios randomizados e controlados recentes são quase unânimes em concluir que a suplementação de vitamina D oferece proteção contra poucas ou mesmo nenhuma dessas doenças.
   Devido os seus efeitos pleiotrópicos em tecidos específicos, e à grande expressão do receptor nuclear de vitamina D em diferentes tecidos e os muitos genes que são alvo de suas ações. No sistema esquelético, a vitamina D promove o desenvolvimento saudável e a remodelação do osso. Em outros tecidos, acredita-se que a vitamina D possa mediar efeitos potencialmente benéficos através de uma ampla variedade de mecanismos: algumas evidências sugerem que ela exerce uma atividade anticancerígena, limitando a hiperproliferação de certos tipos de células, que promove a saúde metabólica pela regulação do metabolismo lipídico nos adipócitos e que limita a autoimunidade pela supressão de respostas imunes inadequadas.
   Em uma revisão sistemática na revista The Lancet Diabetes & Endocrinology (volume 2, Número 1, p76–89, January 2014) autores avaliaram um grande número de estudos observacionais sugerindo que altas concentrações séricas de vitamina D podem ser protetoras. Por exemplo, os indivíduos com altas concentrações de vitamina D têm diminuído o risco de eventos cardiovasculares (até 58%), diabetes (até 38%), câncer colorretal (até 33%) e de todas as causas de mortalidade (até 29%). No entanto, eles também comparam estes resultados com os resultados de ensaios clínicos randomizados que revelam um quadro muito diferente: nenhuma redução de risco foi encontrada, mesmo em estudos envolvendo a suplementação adequada dos participantes com níveis baixos de vitamina D (menos de 50 nmol/L). Eles também fizeram uma nova meta-análise de 16 estudos que avaliaram os efeitos da suplementação de vitamina D nos níveis sanguíneos de hemoglobina glicosilada (HbA1c), um biomarcador utilizado principalmente para monitoramento de distúrbios do metabolismo da glicose. Embora o diabetes tipo 2 esteja associado a baixos níveis de vitamina D, os resultados mostram que a suplementação de vitamina D não reduz os níveis sanguíneos de HbA1c . Assim, parece cada vez mais provável que o baixo nível de vitamina D não é uma causa, mas uma consequência de problemas de saúde.
   Apesar das crescentes evidências, através de ensaios clínicos randomizados, indicando que é improvável que a vitamina D evite doenças não-esqueléticas, existe um forte apoio para a sua utilização a partir de muitos membros da comunidade de pesquisa, que é alimentado pela toxicidade relativamente baixa da vitamina D e pelas evidências de estudos observacionais prospectivos, que não podem definir condutas. Para aqueles que "acreditam", a falta de benefícios encontrada na maioria dos estudos concluídos até agora pode ser atribuída a questões como a suplementação inadequada, o teste em uma população com ausência de deficiência de vitamina D no início dos estudos, a formulação incorreta da vitamina ou acompanhamento insuficiente dos participantes. No entanto, a vitamina D pode não ser segura em todos os casos. A suplementação em doses elevadas pode causar danos em pessoas com concentrações de vitamina D já elevadas, particularmente naqueles com problemas hepáticos, renais ou vasculares. Esta é uma preocupação, dado o grande número de pessoas que tomam suplementos de vitamina D (mais de 50% dos adultos nos EUA fazem esta suplementação).

quinta-feira, 5 de março de 2015

OS RISCOS DOS EXAMES POR IMAGENS EM CARDIOLOGIA

   A Imagiologia médica é uma das principais causas do aumento dos custos de cuidados de saúde. Diagnóstico por imagem aumentou mais rapidamente do que qualquer outro componente da assistência médica. Cerca de 5 milhões de exames de imagem são realizados em todo o mundo a cada ano. De acordo com as estimativas recentes, pelo menos, um terço de todos os exames são parcial ou totalmente inadequado. Dois em cada três exames de imagem utilizam radiações ionizantes, como radiologia ou medicina nuclear. O uso médico da radiação é a maior fonte de origem humana de exposição. Raios-X médicos e raios γ são carcinógeno humano comprovados. A longo prazo, o risco extra atribuível de câncer devido a testes de diagnóstico é de cerca de 10% nos países industrializados. Cardiologistas prescrevem e / ou executam diretamente mais de 50% de todos os exames de imagem, sendo responsável por cerca de dois terços da dose total dada aos pacientes. A dose dos exames cardiológicos comuns podem ser significativas: 500 radiografias de tórax é igual a uma cintilografia com estresse sestamibi, 750 radiografias de tórax a uma tomografia computadorizada multislice, 1000 radiografias de tórax a uma angiografia coronária com implante de stent.
   Infelizmente, poucos médicos estão cientes do nível de radiação que seus pacientes estão expostos durante os exames radiológicos, e o uso mais intensivo de testes ionizante não foi associado a uma maior consciência. Também como consequência do desconhecimento, a taxa de exames inadequados é inaceitavelmente elevado em cardiologia, mesmo para procedimentos com alta carga de radiação. Doses de exposição superiores correspondem a maiores riscos de longo prazo; não existem doses seguras, e todas as doses se somam na determinação dos riscos cumulativos ao longo da vida. Os médicos devem fazer todos os esforços para que, cada paciente deva se submeter ao exame de imagem certo, no momento certo, com a dose de radiação certa, como sugerido pela US Food and Drug Administration nas recomendações de 2010, para reduzir a exposição à radiação desnecessária de imagens médicas. Isto é melhor obtido através de uma aplicação sistemática da estratégia dos "3A" proposta pela Agência Internacional de Energia Atômica, em 2010: auditoria (da verdadeira dose administrada); adequação ( um terço dos exames são inadequados); consciência (uma vez que o conhecimento da dose e risco é, em grande parte). A aplicação regular de "estratégia dos 3A" normalmente não é facilitado por um sistema de saúde que paga por volumes, não para adequação.
Referência: PubMed 

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

RECOMENDAÇÕES DA AHA PARA A PREVENÇÃO SECUNDÁRIA APÓS A CIRURGIA DE REVASCULARIZAÇÃO MIOCÁRDICA.

   A American Heart Association (AHA) publicou recentemente (fevereiro/2015) recomendações sobre a prevenção secundária após a cirurgia de revascularização miocárdica (CRM).
  Abaixo as principais recomendações:
  Aspirina 81-325 mg /dia é recomendada para pacientes submetidos à revascularização do miocárdio, no pré-operatório e reiniciada no prazo de 6 horas após a cirurgia, para reduzir a oclusão do enxerto e futuros eventos cardíacos. A aspirina deve ser continuada indefinidamente a menos que surjam contra-indicações. É razoável prescrever clopidogrel 75 mg/dia, caso os doentes sejam intolerantes ou alérgicas à aspirina. Para os pacientes que se submetem à cirurgia de revascularização miocárdica sem CEC ( Circulação Extra Corpórea), a terapia antiplaquetária dupla é recomendado por 1 ano (aspirina 81-162 mg / dia com clopidogrel 75 mg/dia). Entre os pacientes que tenham sofrido recentemente uma síndrome coronariana aguda (SCA), é razoável administrar a aspirina e ou prasugrel ou ticagrelor, ao contrário de clopidogrel. Entre os pacientes sem um evento recente da SCA, é razoável prescrever a terapia antiplaquetária dupla com aspirina e clopidogrel.
  A varfarina não é recomendada para redução de oclusão do enxerto; ela é recomendada quando os pacientes têm indicações como fibrilação atrial ou de prótese mecânica.
  A terapia com estatina é recomendada para todos os pacientes submetidos a CRM, a menos que uma contra-indicação esteja presente. Uma dose de alta intensidade é recomendada em pacientes <75 anos de idade, com uma dose de intensidade moderada para aqueles que são intolerantes com doses mais elevadas ou em maior risco de interações medicamentosas.
  Os beta-bloqueadores são recomendados, com início no período perioperatório, para reduzir o risco de fibrilação atrial pós-operatória. Pacientes com história de infarto do miocárdio e disfunção ventricular esquerda também são recomendados para uso de betabloqueadores.
  Para a hipertensão, uma meta menor do que 140/85 mmHg parece razoável, embora este objetivo não tenha sido formalmente avaliado em populações submetidos a revascularização do miocárdio.
  A medição da hemoglobina glicada HgA1c e glicemia de jejum são apropriados em pacientes agendados para cirurgia de revascularização miocárdica. A HgA1c menor de 7% é razoável para tais pacientes.
  Parar de fumar é uma recomendação classe I. O uso de terapia de reposição de nicotina, bupropiona e vareniclina, além de aconselhamento para a cessação do tabagismo é razoável para os pacientes submetidos a CRM que atualmente fumam.
  A reabilitação cardíaca é uma recomendação Classe I para todos os pacientes após CRM. Ela deve ser prescrita no início de pós-operatório para todos os pacientes.
 Dadas as elevadas taxas de depressão após a cirurgia, é razoável uma triagem de depressão após a CRM.
  Vacinação contra a gripe anual tem sido aconselhada para reduzir morte e hospitalização por doença arterial coronariana em pacientes com doença cardíaca. Por isso, a vacinação anual é recomendada para todos os pacientes submetidos a CRM sem contra-indicações.
Referência: ACC, AHA